quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Prosseguindo


Eu tantas vezes forte, tantas vezes preciso.
Apoiando sempre, nunca apoiado.
Sinto hoje o peso de todas as dores que já carreguei, e das que ainda carrego
Sinto correr o rio de lágrimas, da qual sequer nunca uma gota derramei
Sinto a solidão dos que vivem cercados de gente e a tristeza dos que lembram, mas jamais são lembrados
Sinto queimar em minha face a febre dos doentes e a febre da revolta
Meu fardo hoje pesa além do que eu posso suportar.
Canso-me
Já não posso caminhar
Amanha será um novo dia
Todos são
_________________________
Aguardo críticas e comentários
beijos a todos